any given sunday?

Sabe aqueles dias em que você pensa que não deveria ter levantado da cama? Pois este foi meu domingo.

Tudo começou quando fui dormir no sábado. Fiquei vendo televisão de um jeito bem torto e acabei capotando, nisso dei um mau jeito bizarro nas costas, que me fez ficar com dor durante a noite toda. Passadas algumas horas de sono, acordo e nada desse mau jeito melhorar. Que unido de uma dor latejante, algo parecido com enxaqueca, mas sem a dor de cabeça. Pode parecer exagero, mas tem coisas que só eu consigo mesmo.

Após um micro café da manhã, fui para o computador rezar pra Internet ajudar e eu conseguir dar umas arrumadelas no blog. Com uma conexão que parecia ser a lenha, acabei perdendo a noção do tempo e simplesmente esquecendo do grande jogo decisivo da Copa da Inglaterra, onde meu time, Manchester United iria jogar contra o Everton.

Quando coloquei no jogo, o placar era 0x0, no primeiro período da prorrogação. Os jogadores já estavam exaustos, tanto que suas pernas pareciam estar mais curtas. A tensão era enorme, mas nada acontecia. Foi assim a segunda parte da prorrogação também. Com tempo esgotado, hora dos pênaltis.
Tendo Foster no gol, o Manchester começa defendendo.

– Primeira tentativa: Cahill (Everton) da uma “Baggiada”, e manda a bola pra céu. Berbatov, adepto do fairplay, cobrou como o nariz dele, fraco e torto nos pés do goleiro do Everton, Howard – 0x0

– Segunda tentativa: gol de Baines e bola de Ferdinand defendida – 1×0

– Terceira: Neville marca e Anderson também – 2×1

– Quarta: Vaughan marca e diminui as chances do Manchester que ainda marca com Vidic – 3×2

– Quinta: Jagielka faz, e tira os Diabos Vermelhos da Copa da Inglaterra – final score: 4×2
Assim o Everton confirmou sua primeira participação nas finais da Copa Inglesa após 14 anos.

Frustrada, fiquei no aguardo do jogo da tarde que decidiria o futuro do São Paulo no Campeonato Paulista. Sem Rogério e André Dias, Muricy surpreendeu muita gente quando colocou Dagoberto para jogar desde o inicio fazendo a função de ala, ao invés de atacante, como de costume. O jogo começou bem, ambos os lados com vontade de ganhar, apesar da vantagem do Corinthians pelo empate. Ambas as defesas estavam funcionando razoavelmente bem e não houve grandes chances de gol para os dois times durante o primeiro tempo.

Já no segundo tempo as coisas mudaram. São Paulo começou bem forte, com uma linda chance de Borges de gol, que foi parar no travessão. Em um descuido da defesa o Corinthians conseguiu marcar seu ponto, e ai as coisas desandaram.

Ao meu ver, São Paulo, meu time de coração é lutador, até a páginas 12. Não desmerecendo o esforço dos jogadores, mas é um time que quando leva um gol, sempre sente muito isso, independente de vantagem ou não do adversário. Acho que é um aspecto que deveria ser seriamente trabalhado. Não sou expert no assunto, mas ao meu ver, toda a vez que o time leva um gol fica emocionalmente desestruturado. Foi assim que aconteceu ontem. Logo depois do primeiro gol, tomou outro em seguida, e ai o juiz poderia ter apitado, porque o jogo acabou. Falta motivação ou algo que o valha para que em uma situação dessas os jogadores consigam ter forca para continuar jogando firme e virar o placar.

Tirando o fato de ser meu time de coração, vejo o São Paulo como o time mais completo atualmente. Possui uma ótima estrutura para seus jogadores, um treinador muito bom e mostra um trabalho bastante consistente há anos e mesmo assim acho que falta alguma coisa ai. Não sou psicóloga, jogadora ou treinadora de futebol e nem tenho a resposta para tudo, mas sinto que algo esta faltando. Uma coisa que impede meu time de realmente render de verdade.
Alguém tem uma sugestão?

Resumindo: com dor, frustrada com o Manchester, triste com o resultado do São Paulo… o domingo não foi dos melhores. Cabisbaixa, logo quando estava prestes para ir para casa, eis que aparece algo que poderia melhorar o resumo da opera, parcialmente, at least. Do nada paro para ver a final do World Classic Baseball, que esta acontecendo entre o Japão e a Coréia.

Meus conhecimentos sobre beisebol, que não são extensos, vão apenas ate onde os filmes sobre o esporte mostram. Isto é, sei que existe o strike, precisa de um juiz, um rebatedor, um arremessador, um cara que pega as bolas mandadas pelo arremessador, jogadores que defendem as bases, outros que querem roubas as bases, o home-run e que o campo tem um formato bem estranho de diamante.

Mesmo assim a tensão que estava no ar lá (lembrando que o jogo era gravado, havia ocorrido *thanks Dark* no mês passado, mas preferi assistir a simplesmente conferir o resultado na Internet – afinal muito mais emoção) era contagiante. E ainda para quem não entende completamente o jogo, ela se potencializava. O jogo parecia estar no final, e os comentaristas falavam muito do arremessador japonês que iria entrar, Yu Darvish, filho de mãe japonesa e pai iraniano, de 22 anos, visto como promessa da seleção nipônica. Darvish começou bem, mas aparentemente o nervosismo afetou seu jogo, fazendo com que os coreanos voltassem a arremessar. E a partida que aprecia estar no final se prolongou. O que parecia que iria acabar em cinco minutos levou mais de meia hora. Isto porque não houve comerciais.

Para mim a experiência de ver um jogo de beisebol é viver em tensão crescente, onde os nervos ficando a flor da pele porque ao contrario da maioria das competições, este é um jogo que não flui. E fui vendo que deveria então torcer pela Coréia para de alguma
forma ganhar alguma coisa no domingo que foi zicado.

Mas não foi preciso. Para a minha alegria e de todos os outros japas do mundo Ichiro Suzuki, rebatedor, herói nipônico e único atleta japonês a jogar a Major League Baseball (liga norte-americana), que segundo o namorado é uma versão japonesa e jovem do Tripa Seca, personagem do seriado Chapolin, interpretado pelo Ramón Valdés (saudoso Seu Madruga), entrou para finalizar o jogo. Para quem realmente se interessa pelo esporte e quer ler um resumo mil vezes melhor do que aconteceu, clica aqui, porque palavra de profissional é outra coisa.

Ultimas considerações:
Pode estar no meu sangue, mas ainda acho bastante engraçado ver japoneses comemorando. É bastante interessante ver um povo que entre muitas coisas é controlador, ser dominado pela felicidade. Ai penso que sentir coisas é um exercício que fazemos desde nascemos. Uma coisa que tem de ser aprimorada com o tempo e os japoneses fazem de forma desajeitada na maioria das vezes, mas serve para alegrar um dia como este meu domingo.

Anúncios

10 comentários sobre “any given sunday?

  1. Den disse:

    ahhhhhh dançou bambi!!!!! hahahaha

    que história é essa de ver jogos do manchester utd? rs.. apesar de Carlitos – o eterno naquela terra cinza só se salvam os gunners mesmo.

    Faltou vc falar que nao só os gols, mas a postura do Corinthians – O time do povo – nos dois jogos foi demolidora e humilhou os arrogantes bambis, um dos mais exaltados o Rodrigo, nem terminou o jogo. E fechar com gol do “ex-jogador” Ronaldo como disse o Leco, foi impagável!

    • paulinha mihuda disse:

      Bom, primeiro Manchester virou do coração desde que Winning Eleven entrou na minha vida! Go Devils! Segundo… postura? Mano é foda, o cara manda muito bem! Mas postura? Cristian no primeiro jogo. Meu, cada um tem de arcar com sua responsábilidade, e querendo ou não quando os jogadores estão em campo, são pessoas públicas, eles são um reflexo do que acontece fora do jogo. Postura? Nada invejável. O jogo? Bom, o time foi raçudo e mereceu total ambos resultados. Independente do ato ter sido para a TORCIDA do MEU TIME. Pára, aquilo não é postura! É Todo meu respeito para a paixão da torcida que sem dúvida é FIEL

  2. Dark disse:

    É seu domingo foi horrível, ainda bem que desisti de ver o 2º tempo do jogo do São Paulo, perdi minha paciência com o Muricy teimoso e com o Jorge Wagner, preferi ver o reality show do Gene Simmons.

    Quanto a final do World Baseball Classic, mais emocionante foi vê-la ao vivo de madrugada no dia 23/03, tendo que ir trabalhar cedo no dia seguinte e o jogo não acabava de jeito nenhum, com direito a prorrogação e tudo, ainda bem que o Japão ganhou, pelo menos dormi contente.

  3. kau disse:

    Ai ai ai, por isso preferi assistir Family Guy a ver aquele jogo triste do São Paulo, o dia ta uma droga, não tem musica boa no radio, a internet ta lerda eu quase tomei chuva e to com gripe e sinusite,soh pode melhorar se um caminhao de Haagen Dasz tombar e eu poder pegar VARIOS potes pra mim!

  4. Luzia Miyazawa disse:

    Oi querida, que saudade.
    O Pablo me mandou hoje um link do seu blog. Foi um antigo de 2006 que você fala das Garotas. E por acaso vi meu nome lá.
    Fiquei muito feliz de ver que de alguma forma colaborei com um start seu. Quando vamos marcar a nossa pizza? Tem niver chegando né? Estou guardando algumas RS para vocês. Beijinhos pra Kau e Dani.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s