jägermeister rock

Há um mês atrás eu não tinha a idéia o “pickle” onde me meteria assim que novembro começasse. A avalanche de shows estava só começando para ter seu pico na segunda semana de novembro, mas vamos por partes.

Tentando resgatar em minha memória quando foi que ouvi Reel Big Fish pela primeira vez, me vem imagens de quando ainda morava em Maringá e a MTV havia se tornado meu canal televisivo favorito! Bons tempos!

Não sei se a primeira música que ouvi foi “Sell Out” ou a versão super divertida que eles fizeram do clássico “Take On Me” do A-Ha, o que lembro com certeza que o “cover” bem humorado deles fez com que eu fosse fuçar nos CDs que meu pai havia deixado em casa, quando foi morar no Japão e achar um A-Ha perdido por lá. Infelizmente o título não tinha a musica em questão, mas tudo bem, porque foi nessa época em que o mundo do ska abriu suas portas para mim.

Não sou conhecedora do estilo. Rola uma identificação obvia, mas é um estilo que vem se infiltrando na minha vida musical bem lentamente, dando tempo ao tempo, e conquistando seu lugar com paciência.

O primeiro show de ska que vi na vida foi há seis anos, no famigerado Hangar 110. Fui acompanhada pelo Liang e Ramadan, que como bons guarda-costas cuidaram do meu bem-estar a noite toda. Se não me engano foi um Skarnaval, com direito a marchinhas, onde bandas como Sapo Banjo, Os Thompsons e Maleducados tocaram e foi bem divertido. Desde então o som me acompanha.

E no penúltimo dia do mês passado foi a vez de eu ver a banda que deu o start. O evento aconteceu dia 30/10 e foi batizado de Jägermeister Rock, mas que de rock não teve nada. Baseado em bandas influenciadas por ska line-up teve como abertura o Sapo Banjo –  que há anos eu dizia que iria ver a nova formação e nada… essa foi minha chance – Goldfinger e Reel Big Fish. E dessa vez a companhia foi de Mr. Reverendo Denis.

Chegamos cedo e vimos tudo! A noite começou fraca, mas aos poucos o Via Funchal foi enchendo. O lugar não chegou a lotar, longe disso, mas para um evento onde mesmo as bandas sendo conhecidas, não tem um apelo grande entre o público brasileiro, fiquei surpresa.

Sapo Banjo foi ótima escolha para abrir a noite, porque mesmo sem tantas pessoas na platéia conjunto tocou músicas como “Larga A Mão De Treta” e “Skatarrone”, e todo mundo sabia cantar.

Depois foi a vez do Goldfinger se apresentar, o que na minha opinião foi a melhor performance da noite. Mesmo eu não sabendo muito sobre a banda, conhecendo apenas suas canções mais populares como “Superman”, da trilha do jogo do Tony Hawk Pro Skater para Playstation e “99 Red Balloons”, o conjunto mostrou energia que contagiou a todos, superando os problemas pelos quais o guitarrista da banda passou com seu instrumento no início da apresentação. O vocalista, John Feldmann, falou bastante com o público e por mais de uma vez disse feliz por estar tocando pela primeira vez na América Latina, no Brasil e em São Paulo. Perto do fim de sua performance o baterista foi a frente do palco quando também conversou com as pessoas. Depois de se jogar no meio do povo ele voltou e surpreendeu a todos quando bebeu cerveja de um tennis que lançaram no palco. Um momento bem nojento e inesquecível.

E fechando a noite foi a vez do Reel Big Fish. A banda decepcionou um pouco no quesito carisma, onde ao contrario do Goldfinger, eles não pareceram de fato conectar do o público. Diferente do que sempre vi deles, simpatia e bom-humor, vim um show com um pouco de pose demais. Não que tenha sido ruim, pelo contrario. Foi um ótimo show, mas acho que eles ficaram devendo um pouco, onde o vocal Aaron Barret e Scott “Scotty” Klopfenstein trompetista, guitarrista, tecladista, backing vocal e “garota” da banda pareciam fazer tudo de maneira robotizada, por pura obrigação. Já Dan Regan (trompete e backing vocals) e John Christianson (trompete e backing vocals) transbordavam energia. Outro destaque foi o baterista Ryland Steen, que atrás de um look bem nerdinho (lovely) mostrou que toca como poucos. No repertório a banda agradou a todos tocando músicas como “She Has A Girlfriend Now”, “Beer”, uma versão ska de “Another Day In Paradise” do Phil Collins e ainda um cover do Metallica “Enter Sandman”, e guardando para o bis seus maiores sucessos “Sell Out” e “Take On Me”.

Uma noite onde a diversão rolou solta!

Se quiser conferir, olha um dos vídeos que consegui gravar…

Reel Big Fish – “She Has A Girlfriend Now”

letra

2 comentários sobre “jägermeister rock

  1. Den disse:

    Paula, só tinham trompetes no Reel big Fish. Acho que o limite entra a diversão e a babaquice é muito tênue.. e o RBF aquela noite foi bem babaca… o goldfinger apesar de nao re-inventar a roda foi bem mais autentico mesmo com o guitarrista michael jackson. O Sapo foi muito bem apesar da situacao adversa.

    Paulinha: Sorry Denis, texto arrumado!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s